27 novembro, 2008

Crendices

Cada um tem a sua. A pessoa pode não admitir ou guardar só para si, mas que ela tem pelo menos uma crença em algo um tanto sem muito sentido (para os outros!), tem.

Eu tenho uma grande dificuldade em falar sobre projetos (meus, claro) que ainda não estão concretizados. Eu não sei dizer exatamente o porquê, mas na minha cabeça se eu falar antes de realmente acontecer, pode não dar certo e nem vir a acontecer. Marido chama de crença limitadora. E realmente é, pois já me levou a conflitos internos torturantes.

Eu acredito que as pessoas geram energia, positiva e negativa. Às vezes pode ser um ato ou pensamento inconsciente, involuntário, mais forte que ela... A tal “inveja boa”, por exemplo. Isso não existe. Inveja é inveja. E gera uma carga energética bem negativa, independente da pessoa dizer que não é bem assim.

A minha própria crença gera uma energia negativa danada, mas a questão é que eu não gosto de dar explicações. Não sobre a minha vida. E se algum detalhe der errado e eu já tiver dito pro mundo inteiro, para cada pessoa que eu reencontrar vou ter que explicar isso e aquilo. Porque as pessoas realmente perguntam. (Eu sou uma e não fujo à regra).

Isso já me colocou em cada situação... quando fui para a Terra do Gelo mesmo meu visto só foi liberado horas antes do vôo e eu estava no maior conflito: fazer ou não fazer festa de despedida. Eram seis meses fora do Brasil, eu tinha pedido as contas do emprego e as passagens já estavam compradas. Eu realmente acreditava que viajaria, mas e se tivesse que adiar? Quando contei aos meus amigos, o “COMO ASSIM?” foi em coro. Poucas coisas me doeram tanto quanto aquilo. Eu tirei das minhas amigas a oportunidade de me ajudarem a fazer as malas, a gravar Cds com músicas brasileiras, a escolher qual livro levar e um monte de coisas. As pequenas coisas, aquelas que realmente importam.

Aí a ficha caiu. Claro que ninguém muda da água pro vinho da noite para o dia. Me abrir mais tem sido um processo constante. Às vezes eu tropeço, gaguejo, enrolo, mas conto, ainda que para poucos. E quando algo não corre como planejado, o abraço e as palavras de consolo vêm na sequência, sem que eu precise pedir.

2 comentários:

Lisi disse...

Eu tb acredito que as pessoas possam "atrapalhar" alguns planos. Mas acho que o negocio é saber em quem se pode confiar, na certeza de que aquelas pessoas só vão te apoiar e ficar felizes por vc de coração.

luisgtonon disse...

Bem... Reconhecer já é um grande passo! Logo verá os benefícios.